Vladimir Putin vai falar com Bolsonaro sobre possível entrada da Argentina no Brics

05.02.2022

O pedido de formar parte dos Brics foi feito pelo presidente argentino, Alberto Fernández, em visita ao Kremlin e será também tratado com o presidente chinês, Xi Jinping, no próximo domingo (6). Em plena tensão em torno da Ucrânia, Fernández criticou a dependência argentina dos Estados Unidos e ofereceu a Putin ser a porta de entrada da Rússia na América Latina.

Na primeira escala da viagem à Rússia e à China, o presidente argentino, Alberto Fernández, indicou ao líder russo, Vladimir Putin, o desejo da Argentina de formar parte dos Brics, o grupo de emergentes integrado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Segundo Fernández, Putin prometeu que vai tratar do pedido argentino ainda neste mês, quando o presidente Jair Bolsonaro viajar a Moscou.

"Putin me disse que vai conversar sobre o assunto, dentro de pouco, quando estiver com Bolsonaro e com Xi Jinping", revelou Alberto Fernández, em referência aos presidentes de Brasil e China, num breve encontro com a imprensa durante a sua visita à Rússia.

De Moscou, o presidente argentino partiu a Pequim, onde vai participar nesta sexta-feira (4) da abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno, contra os quais os Estados Unidos promoveram um boicote diplomático.

No domingo, durante a reunião com Xi Jinping, Alberto Fernández também vai abordar a sua vontade de somar a letra A ao final de Brics, para formar Bricsa.

Menos Estados Unidos e mais Rússia

O movimento de associar-se às grandes economias do Oriente, através do Brics, é parte da estratégia do presidente argentino de romper com o que chamou de "dependência argentina dos Estados Unidos" contra a qual ofereceu ser "a porta de entrada da Rússia na América Latina".

Foi uma crítica aberta aos Estados Unidos, em plena tensão entre Washington e Moscou em torno da Ucrânia e apenas seis dias depois de um princípio de entendimento da Argentina com o Fundo Monetário Internacional (FMI), para o qual a ajuda do governo norte-americano foi crucial.

"Ao falar mal de Washington, a partir do Kremlin, o presidente argentino concedeu um favor diplomático a Moscou num momento em que a liderança russa é questionada por boa parte do Ocidente sobre o conflito na fronteira com a Ucrânia", afirmou à RFI o analista internacional e ex-embaixador argentino na Costa Rica e em Israel, Mariano Causino.

"Ao propor que a Argentina seja uma porta de entrada na América Latina, o presidente argentino pode provocar um dano na relação com os Estados Unidos, comprometendo os interesses da Argentina a longo prazo. São declarações imprudentes, inconvenientes e irresponsáveis", sentenciou Causino.

"É inexplicável essa posição no meio de um conflito em relação à Ucrânia e no meio de uma difícil negociação com o FMI. Revela uma clara incompreensão dos vínculos históricos da Argentina com o mundo", observa Diego Guelar, ex-embaixador argentino nos Estados Unidos, na União Europeia, no Brasil e na China.

Fonte: https://www.rfi.fr/br/am%C3%A9ricas/20220204-vladimir-putin-vai-falar-com-bolsonaro-sobre-poss%C3%ADvel-entrada-da-argentina-no-...