O Novo Programa da Filosofia

11.04.2021

O humano e o mundo. Poderia parecer que a colocação de tal questão é relevante em todos os momentos. No entanto, tudo é muito mais complexo. O "humano" não é uma afirmação, mas um ponto de interrogação. Humano? Ah, sim? A sério? Isso seria "o humano" em essência? De verdade? Você tem assim tanta certeza sobre isso?
O "humano" tem sido entendido como significando coisas completamente diferentes em tempos diferentes, como o estágio da ascensão a partir do animal, ou como o limiar da descida do anjo... "Humano" soa estranho...Humano...
O mundo. Isto também já foi algo claro. Mas também, o que dizer, como dizê-lo... Até a palavra para mundo - mir em russo, Welt em alemão, monde em francês, dunya em árabe, etc. - em diferentes línguas nos remete a coisas diferentes. No entanto, ele sempre significou algo integral, universal, abrangente...
O filósofo francês contemporâneo Marcel Conche escreveu que hoje "o mundo já não é um mundo, mas um conjunto extravagante". Isto significa que a obviedade foi obscurecida... Claramente, não estamos lidando com um todo integral, mas com um mosaico de fragmentos a partir dos quais não se pode formar um quadro completo - sempre falta algo ou há algo claramente supérfluo...
O eterno tema "o humano e o mundo" é agora formulado de forma diferente como "Humano? E o mundo?", no qual duas incertezas - interior e exterior - colidem.
Recentemente, o trabalho de atribuir ao humano e ao mundo uma identidade clara foi empreendido pelas ideologias. O humano do comunismo era algo bastante concreto, descrito e estabelecido, assim como o mundo do materialismo histórico e do materialismo dialético foi estudado e certificado em profundidade, com a liberdade de escolha sendo colocada dentro de um quadro explicitamente delineado. Outras ideologias - religiosas, nacionais e democráticas - ofereceram modelos diferentes, com proporções e estruturas diferentes, mas sempre e em toda parte entendiam "humano" e "o mundo" como sendo bastante detalhados, atenciosamente conceituados e definidos.
Mas o tempo em que o liberalismo ocidental finalmente derrotou o campo soviético, quando se pôs um fim à luta entre ideologias, já passou. A princípio parecia que a doutrina liberal-democrática do humano e do mundo se tinha tornado universal e obrigatória em escala planetária. Mas algo mais aconteceu. Deixado sem um oponente, rival e adversário a nível global, o mundo ocidental rapidamente se afogou em sua própria incerteza. Nas últimas décadas da "Guerra Fria", apenas a necessidade geopolítica de enfrentar ideologicamente a URSS marxista e seus satélites emprestou harmonia ao sistema burguês. O Ocidente não estava filosoficamente preparado para a vitória, ele esperava um prolongado duelo ideológico, e o rápido desaparecimento do seu inimigo apanhou-o de surpresa. Deixado sozinho, o homem ocidental foi confundido, tomado de surpresa e afogado por uma onda de alucinações cognitivas em que o passado e o presente, o acidental e o crucial, o fundamental e o superficial, o masculino e o feminino, o sério e o sarcástico se misturaram de forma irrevogável.
Hoje o Ocidente impõe não o seu sistema, mas a sua ausência de sistema, não a sua obviedade, mas a sua dúvida, não a sua asserção, mas a sua profunda crise interna.
Quando entramos na rede global, não recebemos uma nova identidade e não entramos em contato com um mundo novo. Simplesmente nos rendemos irrevogavelmente ao depósito com um código de entrada esquecido aqueles restos daquilo que nos fazia ser quem éramos antes e aquela realidade na qual vivíamos antes. O ato de abandonar antigas certezas e definições é bem específico: é um passaporte para os "novos tempos", um cartão de crédito para a cumplicidade no globalismo, um requisito obrigatório, e todos aqueles que rejeitam essa "iniciação no globalismo" acabam automaticamente em listas negras, doravante considerados agentes do "eixo do mal" - afinal, não captaram as "últimas notícias" de que o mundo e o humano estão mortos (seguindo a morte de Deus).
Nada é dado em troca. Não que alguma vez tenha havido alguma coisa. A cintilação das chamas, dos peixes coloridos, das figuras semi-vestidas, da opulência espumosa dos xampus, da saliva suave do oceano... Você foi sugado para os sonhos incessantes da pós-realidade, e seu trabalho é apenas apertar os botões do controle remoto...
Palavras e frases inteiras se desintegram em tantos fragmentos brilhantes, mas só estamos interessados em interjeições e cláusulas, mugidos espirituosos e teasers de sucesso. Um mundo em que a paródia do parodista proporciona prazer em massa não tem o direito de ser chamado de mundo. É algo de outro sistema de coisas.
Quando reconhecemos em nós mesmos um desacordo cada vez mais cego com tal estado de coisas, corremos automaticamente para o passado, para aquele tempo em que o mundo e o humano eram realidades fixas e bem definidas. Ficamos fascinados e inspirados por tudo: a eclesialidade, a monarquia, o sovietismo, o nacionalismo e até a democracia em sua versão modestamente realista e inicial (industrial), onde ainda havia decisão e escolha, trabalho e salários, e riscos e leis para formar valor. Mas esta não é a saída, porque se algo - mesmo algo muito bom - desapareceu, isso significa que há algum tipo de significado superior nisso...
Se conseguirmos ficar de pé e nos endireitarmos no fluxo do terno, apetitoso e rápido nada que nos açoita de todos os lados, compreenderemos que algo enorme e grandioso, escondido em segurança nos buracos mais distantes, está nos enviando - precisamente para nós - novos raios. Se o humano e o mundo já não existem mais, então eles não são mais tão significativos em última análise, e as coisas acabar sem eles...Acabar...
Eu proponho um novo programa de vida: olhar para o que está à nossa volta sem olhar para trás, sem apertar os olhos. A desgraça iminente da qual o homem tentou escapar nos ultrapassou no momento final da história. Muito bem, aprendemos a nossa lição.
Algo terrível se revela em nossos corpos, florescendo como uma flor, algo negro... E dos horizontes finais da escuridão, as pétalas trêmulas da consciência exterior - suspeitas, suposições e os relâmpagos do indubitável - estão se estendendo ao encontro do nosso coração vermelho.
No cosmos sem coração, camuflado, devemos construir novas represas de vida nos esticando para agarrar as centelhas da presença por baixo das últimas conchas da percepção emprestada...
O novo programa de filosofia consiste em perseverar adiante quando não há mais caminho a seguir e não pode haver.